Dec 11

O xoves pola noite, a través de Twitter e Facebook, lancei a proposta de organizar unha manifestación cidadá na Coruña, cidade na que nacín e onde vivo, como mostra de solidariedade con Wikileaks e de reivindicación dos dereitos á liberdade de expresión e a unha información libre e veraz. No diálogo xerado, decidiuse adherirse á iniciativa de freewikileaks.eu, que estaba a facer un chamamento en todo o Estado español cos mesmos motivos.


Aspecto do Obelisco nos primeiros instantes da concentración.
Foto: mondoxibaro

Así foi feito, de xeito que hoxe A Coruña se sumou ás mobilizacións convocadas simultaneamente en ducias de cidades ao largo do mundo. A idea era celebrarmos unha manifestación, pero unhas horas antes do inicio a Policía Nacional informou, no nome da Subdelegación do Goberno na Coruña, que a manifestación fora “expresamente prohibida”, polo que finalmente foi realizada unha concentración. Ou, máis ben, dúas.

Un momento da paseata rumbo á Av. Linares Rivas.
Á dereita, abrindo a marcha, algúns participantes
ataviados coa máscara identificativa de Anonymous.

Ás 18:10 xa se congregaran no Cantón Grande 80 persoas. Repartíronse copias do manifesto común, informouse da imposibilidade de realizar unha manifestación e optouse por percorrer a distancia até o Consulado de Suecia nunha paseata silenciosa polas beirarrúas dos cantóns. Despois de gritar unanimemente a única consigna que se escoitou na mobilización, que foi a de “Liberdade de expresión!”, desprazámonos até a (antiga?) sede do Consulado de Suecia. Alí, leuse o manifesto primeiramente en galego e a seguir, por iniciativa dun dos presentes, tamén en español. Despois das respectivas salvas de aplausos e de volver reclamar en voz alta “Liberdade de expresión!”, a concentración -que nese momento xa congregaba 100 persoas- disolveuse coa mesma tranquilidade coa que se formara.

Momento da primeira lectura do manifesto

O ambiente foi en todo o momento de absoluta calma e dunha serena reivindicación cívica, respondendo exactamente ao espírito co que se convocara o acto. A única sorpresa, moi agradable e positiva, foi a presenza dun centenar de persoas, desde xente moi nova até parellas de mediana idade. A cifra de participantes foi -de lonxe- moito maior do que se podía esperar nunha iniciativa puramente cidadá, xa que non contaba co apoio de ningunha organización política nin social. Un sintoma, por un lado, do poder das redes sociais para mobilizar a xente e, por outro, da existencia dunha conciencia cívica moi viva. En fin, foi unha bonita xornada que deixou en todos os presentes un bo sabor de boca e a certeza de que cada un de nós representaba moitas outras persoas que defenden as mesmas ideas.

Grazas a todas as persoas que axudaron a divulgar a convocatoria, aos medios de comunicación presentes e moi especialmente aos participantes, que tiveron unha actitude exemplar.

Dec 09

Desde Free Wikileaks foi feita unha convocatoria de manifestacións e concentracións públicas como mostra de solidariedade con Wikileaks e con Julian Assange, ao tempo que como medida de presión para reivindicar a liberdade de expresión e a investigación e, se for o caso, a persecución dos delitos presuntamente cometidos por altos representantes do Estado español.

Na Coruña, a manifestación está convocada para este sábado, día 11 de decembro, ás 18h. Primeiramente, procederase a unha concentración no Cantón Grande, á altura do Obelisco, e a seguir partiremos en manifestación até a cercana Avenida de Linares Rivas, nº 18-21, onde se ecnontra a sede do Consulado de Suecia. A manifestación será totalmente pacífica e xa foi comunicada á Subdelegación do Goberno para a sáu autorización.

Por favor, divulga este manifesto e a convocatoria de manifestación: boca a orella, por e-mail, nas redes sociais… Participa e anima outras persoas a participaren, de xeito reivindicativo e creativo. Vémonos o sábado!

*   *   *   *   *

MANIFESTO

Tras os eventos ocorridos nos últimos días en contra de Julian Assange, da organización Wikileaks e dos cables sacados á luz pública, cremos que é oportuna esta acción en contra do terrorismo do estado e dos inimigos da liberdade.

POLA LIBERDADE, DI NON AO TERRORISMO DE ESTADO


Os cidadáns que nos adherimos a este texto, MANIFESTAMOS:

  1. Reclamamos a posta en liberdade de Julian Assange no territorio do Reino Unido.
  2. Demandamos o restablecemento do dominio de Wikileaks wikileaks.org apuntando á IP número: 213.251.145.96.
  3. Solicitamos a reposición da conta da entidade financeira PostFinance en Suíza, tendo en conta que Assange está amparado por unha solicitude de asilo nese país e que a presunción de inocencia aplicable a todo cidadán.
  4. Reclamamos que, dado que ninguén demostrou a culpabilidade de Assange polos delitos que se lle imputan, nin a organización Wikileaks está imputada en ningún deles, lle sexa restituído o servizo nas redes VISA e Mastercard para os movementos de diñeiro que teñan por ben libremente realizar.
  5. Expresamos o noso desexo de que cesen as accións orquestradas por parte de todos aqueles poderes gobernamentais que mediante coaccións e ataques están librando un conflito contra esa organización, temerosos do uso que cidadáns comúns fan do seu lexítimo dereito á liberdade de expresión e ao esclarecemento e difusión da verdade.
  6. Consideramos que a transparencia é un ben fundamental a ser preservado en calquera sociedad que se faga chamar a si mesma democrática, e por iso mesmo estamos dispostos a defender iniciativas que, como Wikileaks, supoñen unha xanela aberta á libre información.
  7. Reivindicamos o inicio dun proceso xudicial sobre aqueles responsables que, se se demostrar a veracidade dos feitos denunciados, cometeron crimes ou graves delitos revelados polas filtracións publicadas en Wikileaks, co obxectivo de evitar a corrupción e impedir que sigan a exercer o poder en detrimento das nosas liberdades.
  8. Solicitamos a repulsa, por parte de todos os nosos dirixentes, dos actos de terrorismo de estado que Wikileaks puxo ao descuberto.

Aqueles que sacrifican unha liberdade imprescindible para conseguir unha seguridade temporal non merecen nin a liberdade nin a seguridade.” (Benjamin Franklin)

Dec 08

A seguir, ofereço a tradução ao português do texto originalmente publicado por Suso Baleato em seu blog, e que virou uma das referências internacionais do ciberativismo em favor de Wikileaks e da liebrdade de expressão. Recomendo ficar ligado no blog do Suso, pois o tempo todo está introduzindo atualizações tanto a nível de informação quanto de propostas.

*   *   *   *   *

Wikileaks está sob ataque. A nossa liberdade de expressão está sob ataque. Você pode ajudar a neutralizar os ataquesDNS com ciberações simples, completamente legais e em quase todos os casos gratuitas, como as explicadas a seguir. Basta escolher aquela que melhor se adaptar a seu perfil e possibilidades:

NOTA: Estou impressionado. Mais de 10.000 pageviews em menos de 24 horas estão tornando este post uma referência central na batalha travada a propósito de Wikileaks. Não sei  por quanto tempo Google poderá resistir às pressões; por isso, por favor não esqueça compartilhar este post nas suas redes sociais! Abaixo está um mapa mostrando os lugares donde procedem as visitas; acrescentei no final algumas estatísticas e gráficas comentadas para ajudar a avaliar o profundo impacto deste fenômeno.

  1. Mirror. Dispõe você de espaço (~2 GB) no seu website?  Se a resposta for sim, então você pode ajudar criando um mirror – i.e. uma cópia completa do website da Wikileaks – e tornando-o acessível no seu próprio domínio. Desse jeito, Wikileaks resistirá mesmo os mais duros ataques, graças a que os seus dados estarão distribuídos em milhares de sites independentes e aleatórios, localizados mundo afora. Aqui tem as instrucões para configurar um mirror. Depois disso, lembre de registrar o seu mirror, a fim de que as pessoas possam acessá-lo, e divulgue-o nas suas redes sociais. Mais informação, no site de Wikileaks.
  2. Subdomínio. É você proprietario legal de um domínio de primeiro nível? (do tipo meudominio.com.br) Vá ao seu painel de controle do domínio e crie um novo domínio “wikileaks” vinculado ao endereço IP 213.251.145.96. (novo endereço IP, atualizado 2010.12.04 17:36) Desse jeito, um novo nome de subdomínio será criado, permitindo acesso global -desde o seu domínio- ao servidor de Wikileaks censurado. O meu é: wikileaks.susobaleato.eu. Mais uma vez: não esqueça compartilhar a sua contribuição nas suas redes sociais!
  3. Ícone. Possui você um blogue, uma web pessoal ou coisa que o valha? Coloque na página de início ou em um novo post uma imagem linkada ao endereço IP mencionado no ponto anterior. Desse jeito, a sua web mostrará um logo de Wikileaks, o que permitirá um fácil acesso ao servidor censurado simplesmente clicando nela. Este é um exemplo de código HTML que você pode cortar&colar e adaptar às suas necessidades; a galera massa da Devianart oferece um conjunto de exemplos realmente bacanas e permite usá-los livremente (lembre de agradecer-lhes):<a href=”http://213.251.145.96/”><img src=”http://english.ruvr.ru/data/2010/10/26/1210345812/240px-Wikileaks_logo_svg%20copy.jpg” width=”40px” />
  4. DIVULGUE A INFORMAÇÃO. Essa é uma parte singela mas essencial: mantenha seus amigos e familiares informados, faça-lhes saber que este assunto diz respeito à censura:
    1. Mantenha-se atualizado! A sua informação sterá mais valor se for precisa e atual. Você pode ajudar outras pessoas a resolver calquerá dúvida e poderá refutar informações falsas ou incompletas. Eis algumas das principais fontes que eu estou a usar para seguir a atualidade ao instante:
      1. O twitter de Wikileaks twitter. Nele publicam-se atualizações e as notícias mais importantes.
      2. WLCentral, autodenominado  centro de informações o oficial de WikiLeaks. Segui-os nos últimos dias e proporcionam informação muito precisa e em tempo real.
      3. Os jornais que estão publicando os detalhes do cablegate, notadamente The Guardian para lectores de língua inglesa e El País para os de língua espanhola.
      4. Seguirei acrescentando atualizações com as informações e propostas mais relevantes, que podem ser encontradas no final do post. Dê uma olhada também aos comentários, pois estão sendo muito valiosos e construtivos.
    2. Posts e comentários. Pode você publicar notícias ou comentá-las? Algumas pessoas, especialmente nos países do Norte, têm ainda liberdade para se expressarem a público ;o) Se é você um desses afortunados indivíduos, por favor pare para pensar a respeito do que a censura contra Wikileaks significa para a sua própria liberdade de expressão. Pois é, você acertou na mosca: você está perdendo sua liberdade de expressão. De fato, todos nós estamos perdendo nossa liberdade de expressão. Por isso, por favor, divulgue as notícias: conte para seus amigos sobre a censura, avise-os do seu novo sudbomínio wikileaks… compartilhe a lista de mirrors de Wikileaks.
    3. Compartilhe a informação e as iniciativas mais relevantes nas suas redes sociais. Cada vez que você posta algo sobre este assunto no seu muro no Facebook, que compartilha ou gosta as postagens doutras pessoas; e cada vez que você publica no Twitter com a hashtag  #imwikileaks ou dá RT, você está estreitando os laços entre todas as pessoas envolvidas e também ganhando novas adesões.
    4. Mobilizações. Mostrar o seu apoio a Wikileaks nas ruas é um jeito muito efetivo de divulgar informação. Você pode fazer isso sozinho – por exemplo, colocando uma faixa na sua janela – ou junto com outras pessoas, num leque de opções que vai dos protestos convencionais a soluções mais criativas como as flash-mobs. Encorajo vocês a praticarem as formas de protesto mais criativas e non-violentas. Quanto mais divertido, mais efetivo! 🙂 Você não precisa de grana nem de uma organização forte: bastam criatividade e iniciativa. Na Alemanha, na Austrália, nos EUA, no Reino Unidomobilizações estão a ocorrer em todo o mundo bem agora. Quer um exemplo? Olha esse publicado por El País:
EFE, FACUNDO ARRIZABALAGA. Published by El Pais.

É desnecessário explicar que todas estas ciberações não pretendem apenas “resolver” um problema técnico, porque o problema não é técnico, mas político. Não esqueçamos da razão por que Wikileaks está sob ataque: poderosos governos e corporações estão tentando ocultar os seus “movimentos na escuridão” do escrutínio público.

Ao aderir a qualquer uma dessas simples e simbólicas, mas também eficientes, ciberações você estará expressando o seu apoio ao projeto de Wikileaks na esfera pública. Aliás, desse jeito mostrará aos políticos e às corporações de seu país que a liberdade de expressão eo direito à informação são valores para os quais você deseja proteção.
Não há Democracia sem Liberdade de Expressão. E não há Liberdade de Expressão sem um compromisso pessoal para a proteger. Citando John Perry Barlow em #Wikileaks:
A primeira infoguerra para valer está a ser travada nestes momentos. O campo de batalha é  WikiLeaks. E vocês são as tropas.
Talvez seja possível encontrar maneiras melhores de expressá-lo, sem recorrer a metáforas com um implícito conteúdo bélico, mas acho que essa frase é uma boa descrição do que está acontecendo. Seja como for, lembre: fazer a guerra para conseguir a paz é como fazer amor para manter a virgindade!
*   *   *   *   *
Nota: Até aqui, o texto original do post publicado por Suso Baleato. Nas próximas horas, traduzirei e publicarei as sucessivas atualizações que o autor fez, e que seguem abaixo na versão inglesa.
*   *   *   *   *
Updated 2010.12.03 21:36 GMT+1 Of course there is the possibility that you don’t fit in any of those cathegories. But you want to help anyway. So what to do then? Don’t get frustrated! Remember that you have the most powerful tool to contribute to social changing: creativity. And also remember that you don’t need to rely on the cyberspace: you can make use of the phone, you can send a letter to paper journals, you can write an article for your preferred magazine, you can hang a banner on your window… What about phone-calling your friends and family? Talk about the case, ask yourselves how you can make a contribution and organize some action -the most funny, the most effective- together. Also: what about showing your support to Wikileaks on the street?
Finally, if you don’t feel confident enough to engage something by yourself, remember that you can always join the efforts of others! You can join some organization which shares those values with you. If that’s your case, I’d like to strongly suggest you joining the Electronic Frontiers Foundation, an organization with a clear commitment with electronic rights where you’ll find a lot of interesting and very competent people.

Also there is a very effective alternative if you don’t are afraid from participating in governments: find your regional chapter an join the Pirate Party! Specially for those Europeans Wikileaks supporters:think global, act local!

Updated 2010.12.04 15:36 GMT+1 Wikileaks was using Paypal service in order to allow people an easy way to support the project by donating money. This was possible thanks to the german Wau Holland Foundation. Suddenly today Paypal has decided to suspend the german account complaining that Wikileaks freedom of speech activity does not fit Paypal’s Acceptable Use Policy. It is important to remember that Wikileaks work is completely legal -it is Freedom of Speech!!. Following Paypal’s logic then Time Magazine is performing an illegal action publishing the cover this month.
Dezember’s cover of the prestigious magazine Time.
We are succeeding in adding the Wikileaks censorship issue in the public agenda. Perhaps the time has come to propose a boycott against those companies who are suspending the services which support Wikileaks activity?. Please, think about that.
Meanwhile, remember that you can still choose anyone of the alternative ways to donate Wikileaks.

Updated 2010.12.06 20:40  GMT+1

  1. Last 24h people was reporting problems with Twitter, since the tag #Wikileaks is not the most important one reported by their statistical system. Some people has even proposed an argument about censorship (@bubbloy thanks for that hard work!). Human beeings always tend to think that their our own issue is the most important one. Yes, this wikileaks thing is *really* important, but please: we will not be able to know whether Twitter is manipulating those statistics or not because we don’t know the algorithm they use. That’s a good example of why we must choose open source when we can. Thus, probably the most effective action concerning that issue could be to ask Twitter fellows to liberate the code of the algorithm. After doing that, please focus on a more effective action; as an example: the next one ;).
  2. An official press release states that Wikileaks’ Defence Fund (the donations to support costs of lawyers, papers, legal taxes and the like) was frozen by the Swiss bank SBPF. You can directly express your complains to that bank (please, be polite: it will be more effective) electronically using this formular (DE, EN, FR, IT) and also you can call them directly by phone at 0848 888 710. I must insist: please be polite because on the other side there are humans like you an me, so please: don’t spread violence. We simply don’t need it to solve this.
  3. Meanwhile, Wikileaks is currently mirrored on 507 sites (source: official Wikileaks site) This is a *great* success! We are in the right way! Let’s continue sharing and spreading the news!

Updated 2010.12.07 20:47  GMT+1 To follow the situation I want to recommend two serious and reliable informations sources: the britishThe Guardian for english speakers, and El Pais for spanish ones. They both are linking this post as well.

  1. The editor-in-chief of Wikileaks, Mr. Julian Assange, has been remanded in custody (ES: prisión preventiva) until 14 Dezember. Don´t get alarmed: this are strange, although good news. I know this can sound crazy but please remember: a) there are people promoting damage -even assasination- against Mr. Assange, and b) there are governments trying to applyextradition agreements in order to capture him. Thanks to this decission of the British Court, he will be protected against any physicall injury, and he will be under a very flexible regime which allows him to receive visits and to maintain communication with outside. As a proof for the status of normality of this situation, I would like to forward you to the official anounce of the Wikileaks project after, stating that “tonight we will release more cables as normal“.
  2. Message #1 for the troops. Subject: Targeting the battlefield of the infowar. The battlefield is not the servers of those companies who are suspending their cloud services. The battlefield is not the websites of those governments who are legitimating the censorship of the Wikileaks. Those companies and governments are just puppets doing exactly what the joint transnational corporations interest want them to do in order to keep their hegemonic position on this new global order. If we want to win the Wikileaks infowar we need to focus on the causes, not only the effects. The enemy to fight is not hidden in those servers; the enemy to fight is hidden in the words which are beeing massively inoculated in the minds of our family, our friends and the rest of our societies to make them to believe that any resistance is futile against their regime of secrecy and violence, using the very visible example of Julian Assange. The winner of this infowar will be the combatant who can make theirnarrative prevail: our narrative of democracy, transparency and welfare might be able to defeat their narrative of violence, secrecy and global fear. They are using the mass-media as a weapon to inoculate lies, sexual scandals and hate. We might use our own resources over the Internet to act as global whole demanding free speech and right to information. Thus, the battlefield is not the communication network; the network is the nervous system of the human progress: the real battlefield of this infowar is the nonspace of our globally connected minds. Wanna fight for global freedom? Then go back to the top of this post, and be sure to understand and put in practice all of the proposed actions. Let’s spread our narrative engaging more and more people to the resistance!
  3. The mirror network has reached 748 alternative servers today!. In a few hours it will be reached  1.000.000 supporters at the Facebook page of Wikileaks!. Those are great numbers: those are numbers of victory! Don’t forget to let the people now about that!

Updated 2010.12.08 02:58 GMT+1

  • STATEMENT: “We will not be gagged” #cablegate #censorship
  • Reached more than 1000 mirrored servers!
  • More useful tags: #freeassange #avengeassange
Updated 2010.12.08 12:54 GMT+1

Updated 2010.12.08 15:22 GMT+1

Measuring the impact of the #infowar

I’m astonished. People from all over the world is massively accessing this page. More than 10.000 pageviews in less than 24 hours (2010.12.05 17:53 GMT+1) -and growing- from thousands of visitors all over the world -mainly Europe and USA- are turning this page as a central reference in the wikileaks struggle. I’m really impressed with the massive and global impact of this issue.

Firefox is the browser of the #infowar. Open Source rulez!

Firefox is the preferred browser. Chrome overpased Iexplore.
1.- USA | 2.-Europe | 3.-Australia/ Canada

The United States of America is the main source of visits, following Europe
(Spain, Germany and UK in that order) and Australia
Please, don’t give up. Freedom of speech, right to information: democracy itself: all they are now in our hearts, heads and hands.

I don’t know how much time will Google (where this blog is hosted) resist the pressures to obscure this Wikileaks phenomena so: please share this post in your social networks (Facebook, Twitter and the like) to allow other people to engage the resistance against censorship by governments and corporations. Below you’ll find a bunch of buttons to easily do that so: use them!